segunda-feira, 9 de maio de 2016

ZIKA: EFEITOS DA DOENÇA NA GESTAÇÃO PODEM IR ALÉM DA MICROCEFALIA EM BEBÊS



Um ano depois que o Zika começou a circular no país, as dúvidas sobre o vírus continuam maiores que as certezas e pesquisadores apontam que os efeitos da infecção durante a gestação podem ir além da microcefalia em bebês. “A criança pode vir com um cérebro menor, mas a cabeça do tamanho normal ou até maior por acumular muito líquido”, explicou a pesquisadora Adriana Melo.

Brasília - Adriana Melo, pesquisadora e presidente do Instituto Paraibano de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto (Wilson Dias/Agência Brasil)
Brasília - Adriana Melo, pesquisadora e presidenta do Instituto Paraibano de Pesquisa Professor Joaquim Amorim NetoWilson Dias/Agência Brasil


A especialista em medicina fetal e presidenta do Instituto de Pesquisa Prof. Joaquim Amorim Neto (Ipesq), sediado em Campina Grande, Paraíba, foi a primeira pesquisadora a comprovar laboratorialmente que o líquido amniótico de uma gestante que teve o filho com microcefalia estava infectado pelo vírus Zika. Em audiência pública na Câmara dos Deputados esta semana, Adriana expôs alguns pontos sobre o vírus observados no instituto, criado por pesquisadores renomados e sem fins lucrativos. 

De acordo com a médica, a identificação de crianças afetadas ainda na gestação pela infecção deve ir muito além da fita métrica, que mede o tamanho da cabeça. Ela explica que os especialistas já usam o termo Síndrome Congênita do Zika, para identificar crianças que foram afetadas pelo vírus ainda na barriga das mães. O Ministério da Saúde também já reconhece o termo.

“Usar só microcefalia dá uma ideia à população de que a cabeça sempre vai ser menor do que o normal. A microcefalia é quando o cérebro é menor, mas a cabeça pode ser menor ou não. O termo também dá a ideia de que esse é o único problema, e não é. Tem bebês com problemas auditivos graves, problemas visuais, convulsões, com dificuldade de deglutição”, detalhou a Adriana. Segundo a especialista, o ideal é que o diagnóstico da síndrome seja feito ainda na gestação, para que o parto ocorra em um hospital de referência, já que algumas das consequências da infecção pelo vírus são os riscos para a gestante e para o bebê na hora do nascimento.

Fonte: Agência Brasil



Nenhum comentário:

Postar um comentário

MINHA CASA MINHA VIDA: 56,4% DOS IMÓVEIS AVALIADOS APRESENTAM DEFEITOS NA CONSTRUÇÃO

Foto: Ilustração O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) divulga o resultado da avaliação da execução d...