sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

SAÚDE: USO EXCESSIVO DE REPELENTE PODE CAUSAR CONVULSÕES, ARRITMIA E ATÉ LEVAR AO COMA


Especialista faz alerta para o abuso do produto, mas ressalta que há poucos casos graves registrados na literatura científica


Passar repelente ainda é uma das principais recomendações dos médicos para a proteção contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya. O que poucos sabem, no entanto, é que o uso excessivo do produto pode causar uma série de problemas – alguns deles tão graves que chegam a ser impensáveis. 

É o que afirma ao iG o médico toxicologista Anthony Wong, diretor do Centro de Assistência Tecnológica (CEATOX) do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo, que enumera como possíveis consequências do abuso de repelentes alergia, irritabilidade, intoxicação e, em casos mais graves, convulsões, arritmia e até coma.

“Usualmente, existe uma grande chance de a pessoa ter problemas como irritação, principalmente, devido ao abuso. Mas existem casos de complicações sérias", diz Wong. "São poucos, é infrequente, mas já aconteceu."

A literatura científica mostra que, quando ocorrem, as complicações são devido ao abuso dos produtos com a substância DEET (dietiltoluamida), matéria-prima que compõe os principais repelentes à venda no mercado. As crianças são as maiores vítimas dos casos graves. 


Três vezes por dia basta

Os repelentes com DEET têm efetividade por entre 6 e 8 horas, e aqueles com icaridina, outra substância conhecida contida em alguns produtos, duram aproximadamente 10 horas. Por isso, Wong alerta que, ao contrário do que muitos pensam, passá-los três vezes ao dia é suficiente para que a pessoa esteja protegida. “Tem gente que entra na piscina, por exemplo, e aí toda vez que sai da água passa de novo", exemplifica ele. "Não se pode criar pânico.”



Nenhum comentário:

Postar um comentário

SALÁRIO MÍNIMO SERÁ MENOR QUE O PREVISTO

Fonte: O Globo Foto: Ilustração O Orçamento de 2018, aprovado na última quarta-feira pelo Congresso Nacional, prevê um salário míni...